Ataca ou não?

Updated: Jun 28, 2019

Após banhista ser mordido por um lagarto na praia e passar quatro dias internado num hospital, conversamos com um especialista sobre o réptil teiú, espécie vista com frequência cada vez maior na orla da Barra

Lagarto teiú -Imagem: https://www.gpabrasil.com.br/biologia/teiu-caxinguele-pode-ser-um-animal-domestico/

_____________________

Dois meses depois de ser mordido no pé por um lagarto, no Posto 7, na Praia da Barra, Francisco Chagas da Silva ainda sente dores. Devido ao ferimento, ele chegou a ficar quatro dias internado. Publicada na edição anterior (leia aqui https://bit.ly/2QEN4D2), a reportagem sobre o caso despertou a curiosidade – e a preocupação – dos moradores. Afinal, enquanto biólogos afirmam que o réptil teiú não ataca humanos nem possui veneno, Chico, como o banhista é conhecido, quase perdeu a perna.


Pesquisador e coordenador do Instituto Jacaré, o doutor em ecologia e evolução Ricardo Freitas Filho (foto abaixo), assegura que, apesar de serem forrageadores ativos (ou seja, caminham em busca de suas presas perseguindo rastros e encontros oportunistas), teiús não atacam as pessoas sem motivo.


“Contudo, para fazer qualquer tipo de afirmação, teria que investigar melhor as condições nas quais o animal está vivendo e que tipo de interações as pessoas estão tendo com ele”, pondera Ricardo. Interações, como encurralar, futucar, alimentar ou ameaçar o animal na tentativa de afugentá-lo, podem, segundo ele, gerar reação do lagarto.


Quiosqueiro que trabalha próximo ao Posto 6, Taumaturgo Teles, o Tauma, confirma que as pessoas costumam interagir com os animais. “As pessoas ficam dando comida, se aproximando. Parece que os lagartos estão se acostumando com isso e avançando nos banhistas”, conta Tauma. “Eles estão atacando as pessoas até perto do quiosque, longe daquele mato onde eles costumam se abrigar”, alerta.


Sócio de Tauma no mesmo quiosque, o Ponto Certo, que fica ao lado do bondinho da Banda da Barra, João Boia diz que alguns lagartos vão até a areia, perto da água, atrás de comida. “Parece que sentem o cheiro quando as pessoas estão comendo”.


“O animal disputa território (que já não tem mais). E disputa recursos. Mesmo que seja com as pessoas”, explica o pesquisador. “A maioria dos ataques de animais a pessoas, entretanto, está relacionada ao comportamento irracional da pessoa, e como consequência uma óbvia resposta de defesa por parte do animal”, diz Ricardo.


Monitorar a fauna: solução barata que não é feita

Mas qual seria a solução para o problema? Segundo Ricardo, chamar biólogos para a realização de um estudo no local e fazer o monitoramento da fauna, seriam as primeiras providências a serem tomadas. “Colocar placas informativas e ressaltar que se trata de uma espécie silvestre a ser protegida, distribuir panfletos nos quiosques e cal-çadão com informações sobre o animal também são medidas fundamentais a serem tomadas”, ressalta o pesquisador.

Segundo Ricardo, o custo com o monitoramento da fauna de toda a orla giraria em torno de R$ 10 mil por mês, abrangendo, além da Barra, Recreio, Macumba e Joá. Incluindo répteis, mamíferos e aves.


“No dia em que as pessoas no Brasil entenderem que fazer monitoramentos sérios de fauna e gerar dados concretos são tão bem-vistos para atrair turistas quanto a bunda de nossas mulatas, talvez haja mais interesse e investimento nesse tipo de ação”, finaliza, lembrando que não existe qualquer tipo de monitoramento nas lagoas da Barra, onde habitam diversas espécies de aves, capivaras e jacarés. Algumas, inclusive, ameaçadas de extinção. Reptil pode medir até 1,5 metro

Entre a primavera e o verão, os teiús tornam-se ativos e são encontrados com facilidade em campos, trilhas e matas preservadas. Também podem ser avistados em outros lugares. Em áreas rurais, o teiú pode aparecer inclusive no quintal das casas.


O teiú pode medir até 1,5 metro e é considerado comum no Brasil, ocorrendo em quase todo o País, com exceção da Floresta Amazônica. Distribui-se ainda por Argentina e Uruguai.


Os teiús são onívoros. Insetos, aves e roedores compõem a dieta do lagarto que aprecia, especialmente, ovos.


Assim como outros répteis, o teiú gosta de banhar-se ao sol, em gramados, pedras e mesmo em árvores. É considerado um animal arisco, mas pode se tornar agressivo quando se sentir ameaçado. Geralmente usa a cauda longa para se defender. Costuma se camuflar em meio às folhagens e faz muito barulho ao fugir na mata.


No período de reprodução, a fêmea, que é menor que o macho, põe até 36 ovos, que são incubados por até 90 dias. É das poucas espécies de répteis que têm cuidado parental, guardando os ovos até a eclosão.


Teiús domesticados

Agressividade pode se manifestar em alguns animais (confira no link)

http://portalmelhoresamigos.com.br/teiu-conheca-este-belo-reptil-de-estimacao/


"Apesar dos Teiús terem sido domesticados, a agressividade pode se manifestar em alguns animais. “Nos mais de 20 anos de experiência, acompanhei este comportamento [agressivo] presente em desde animais muito jovens até adultos, sendo que a grande diferença é que a pequena lesão dolorosa causada pela mordida de um Teiú jovem não pode nunca ser comparada com a mordida de um macho adulto. As lesões podem ser sérias, sem contar o risco de infecção do local da ferida pelas bactérias contidas na boca destes animais, o que também ocorre quando somos mordidos por um cão ou gato”.



© by A Folha do Bosque

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle