Como escapar do reajuste abusivo dos planos

Corretor de seguros Alexandre Almeida garante que é possível diminuir as despesas sendo atendido nos melhores hospitais da Barra

Alexandre Almeida: “Dá para escapar do aumento”

Suspensos em virtude da pandemia, os reajustes de 2020 dos planos de saúde começaram a

ser cobrados neste mês de janeiro. Além da correção anual de mensalidade, os beneficiários terão que arcar com o reajuste acumulado e não pago em 2020, com um possível reajuste de mudança de faixa etária e ainda com o reajuste anual de 2021. Mas existe uma solução para fugir das despesas, segundo o corretor de seguros Alexandre Almeida.


“O ideal é a pessoa trocar de plano. É possível manter e até melhorar a qualidade do plano que ela tinha por um plano com valor bem menor e sem carência. Além disso, a pessoa diminui o custo imediato e evita o reajuste em 2021, já que o próximo reajuste será somente no aniversário anual do contrato”, explica o corretor.


Alexandre lembra que um plano de saúde individual para uma pessoa com 50 anos e com direito a internação hospitalar na Barra da Tijuca, sai a R$ 1.500,00 em média.


“Temos planos que saem por R$ 903,70 com direito aos hospitais Samaritano, Vitória e que a pessoa nunca mais terá reajuste por mudança de faixa etária”, afirma ele, lembrando que em faixas etárias acima de 50 anos a redução de valor é ainda maior. “Para quem tem mais de 59 anos o preço cai 50% ou mais”, garante.


Segundo o corretor, outra forma de se livrar dos reajustes abusivos é através de uma boa gestão realizada pelo corretor de seguros. “Em alguns casos, orientei meus clientes a pedirem para o plano aplicar o aumento no ano passado normalmente, para que não sobrecarregasse o planejamento financeiro do início de ano, período com aumento de despesas por causa do IPTU, IPVA, carnaval, material escolar”, conta.


A ANS autorizou um reajuste anual nos planos de saúde de 8,14%, mas, segundo Alexandre, têm planos que aumentaram em 20% e até 40% sem negociar com o cliente.

Fazendo as contas

De acordo com Alexandre Almeida, uma pessoa que pagava R$ 1.200,00 antes do reajuste de janeiro, paga hoje R$ 1.447,00.


Como essa diferença de R$ 247,00 não foi paga de setembro a dezembro de 2020, existe um saldo devedor acumulado de R$ 988,00.


Esse valor será pago mensalmente, ao longo de 2021,

elevando a mensalidade para R$ 1.530,00.


Em setembro, haverá um novo reajuste.


“Se a pessoa trocar de plano agora, a economia imediata será de aproximadamente 40% e perto dos 60% em setembro”, explica o corretor.


Para falar com o corretor ligue ou mande um WhatsApp

para os números 98252-2191 / 3100-2880.

Ax Prime Corretora.