Serviço solidário conta histórias por telefone

A Secretaria Estadual de Cultura do RJ oferece serviço solidário em tempos de isolamento social e recebe 500 inscrições na primeira semana

Em apenas uma semana, o projeto “Histórias por telefone”, da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio (SECEC), recebeu cerca de 500 inscrições - sendo 400 para ouvir as histórias e 100 de voluntários para contá-las. Durante o período de quarentena contra a Covid - 19, poetas, músicos e contadores de histórias, de forma voluntária, entram em contato, via telefone, e levam histórias exclusivas para quem precisa neste momento. Uma dessas pessoas é a aposentada Rosângela Ferreira, que recebeu uma ligação da família da secretária de Estado de Cultura e Economia Criativa, Danielle Barros, que é voluntária do projeto. - Recebi uma poesia linda por telefone. A minha animação foi renovada. É muito importante, pois assim como eu, tem muita gente precisando de um momento desse. Ficar em casa quando se quer é diferente de quando sabemos que há um risco de uma doença nas ruas. Estou renovada - disse Rosângela. Para receber a ligação, a pessoa deve fazer a inscrição no link informando alguns dados pessoais. O mesmo vale para quem quer ser voluntário. O grupo conta também com parte da equipe da SECEC, especialistas em literatura. O projeto é principalmente voltado para os idosos, considerados grupo de risco na pandemia de coronavirus. – O projeto leva histórias para pessoas que podem estar sozinhas, precisando de companhia nesse período difícil. Fomentar cultura nesse momento é muito importante, mostra solidariedade e compaixão, elementos fundamentais na sociedade – disse Danielle Barros. A ideia do projeto surgiu com uma mensagem de uma colaboradora da Biblioteca Parque Estadual da Rocinha que falou para o Superintendente de Leitura e Conhecimento da SECEC, Pedro Gerolimich que estava se sentindo sozinha, muito triste e que tinha medo de morrer sozinha com seus animais de estimação, devido ao perigo da disseminação do coronavírus. Como um pedido de socorro, solicitou se alguém poderia ligar para ela: -Eu liguei, confortei ela nessa ligação que durou cerca de 30 minutos. E quando a gente terminou o telefonema, ela já estava num astral muito melhor. Esses 30 minutos duraram dias na minha cabeça. Fiquei pensando nos meus pais, nos meus tios, em todos os idosos que, às vezes, não têm com quem conversar. Foi aí que surgiu o projeto Histórias por Telefone- revela Pedro Gerolimich. Foto: Divulgação Quem quiser se inscrever para ouvir histórias ou indicar amigos e familiares que precisam de ajuda basta acessar aqui: https://bit.ly/formulario-historias Se você quer ser um contador de histórias, basta clicar aqui: https://bit.ly/sejaumcontadordehistorias

© by A Folha do Bosque

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
  • Twitter - Black Circle